30.01.2019

Showa DDC - Visiting Doctor's Report

My name is Joao Claudio da Rocha Wasniewski and I am a colon and rectal surgeon in Brazil. In my daily bases, I usually realize procedures like colonoscopies and videolaparoscopic surgeries.

Motives to come to SUITE

I have planned to come to Showa University International Training Center for Endoscopy and Endoscopic surgery (SUITE) to improve my knowledge in high definition endoscopy and magnification endoscopy and also to learn about therapeutic procedures like endoscopic mucosal resection (EMR) and endoscopic submucosal dissection (ESD).

I intended to upgrade my technique in colorectal videolaparoscopic surgery too. I have known that Japanese doctors are famous all around the world when the subject is endoscopy, so I resolved to try a position in endoscopy service in Japan. I chose Showa University in Yokohama because it is a specialized center in endoscopy training, the chief of the endoscopic center is the world famous Prof. Kudo and the university presents a very organized fellowship program.

Impression of SUITE

Since my fist e-mail contact, the secretary of the department was always lovely and helpful. The University website is very complete and well arranged. It’s possible to get a very good impression of the service reading the fellow’s records.

During these three months of fellowship in Showa University, I had the opportunity to see many complex endoscopic procedures like endoscopic mucosal resection, endoscopic submucosal resection, colonic and rectal videolaparoscopic surgeries and many others. I have learned new technics of detection and removing colonic lesions during colonoscopy. I saw many complex colorectal surgeries and learned new techniques for cancer resection. There are many skilled surgeons in the service and I was free to joint then in the operative room.

The digestive disease center is very organized and accounts with the highest technology for colonoscopy and for videolaparoscopic surgery. There are advanced operating theaters and a very qualified medical staff. The patient care is excellent and the medical results are amazing.

As the department also does medical researches, I had the opportunity to see some new devices that that are not available in Brazil and even devices that are just experimental. Many of this experimental technologies will promote a great impact in the future of the colonoscopy and will soon be described in respectable international medical journals.

The Showa University Northern Yokohama Hospital has a great volume of endoscopic procedures and has in its medical staff some renowned endoscopists. I also could read a lot of papers from important medical journals, because the digestive disease center provides free access for the most important medical papers. During the fellow the medical staff share with me some books, articles and lessons that contributed to my learning. Professor Kudo taught excellent classes during these period.

I had been welcomed in the department and well instructed about the service routine and rules. The doctors and residents of the endoscopic department were friendly as the rest of the endoscopy team. It was a great experience to learn with these excellent doctors not only medicine, but also the cordiality and respect to the patients. I am very lucky for had spent some time next to these brilliant physicians. My experience was outstanding and exceptional! Lastly I would like to thanks the Showa University for giving me the opportunity to become a better professional in my country. I hope that in the future I might be able to come back and spend more time in the department.

Original em: http://www.showa-ddc.com/eng/report1.html

24.01.2019

Colonoscopia Intervencionista

Dr. João Cláudio Wasniewski da Proctomais de Criciúma fala a respeito das novas opções terapêuticas que o exame oferece.

A coloproctologia é a especialidade médica dedicada ao tratamento das doenças do intestino grosso (cólon), reto (parte final do intestino) e ânus. Um dos papéis importantes desta área é a prevenção do câncer de intestino, também chamado de câncer colorretal. O exame preventivo ideal chama-se colonoscopia e consiste na avaliação do interior do intestino através de um equipamento óptico, parecido com uma câmera de alta definição. Durante o procedimento é possível retirar lesões pré-cancerígenas conhecidas pelo nome de pólipos.

O coloproctologista João Cláudio Wasniewski da Proctomais de Criciúma realizou uma especialização focada na retirada endoscópica dessas lesões no Japão e nos fala melhor sobre o assunto.

"A história natural do câncer de intestino propicia condições ideais para sua detecção precoce, uma vez que a maioria evolui a partir de lesões benignas, os pólipos adenomatosos, por um período de 10 a 15 anos, existindo, portanto, um período préclínico detectável bastante longo".

Essas lesões não causam sintomas e está aí a importância da realização da colonoscopia de rotina a partir dos 45 anos mesmo em quem não possui queixas.  

É muito importante que os pólipos identificados durante a colonoscopia sejam adequadamente removidos afirma João Cláudio.

"O avançar da tecnologia médica e o treinamento adequado permitem que, lesões que antes precisavam de grandes cirurgias, sejam ressecadas de forma ambulatorial.

"Uma das principais melhorias no tratamento foi o aprimoramento da retirada das lesões planas intestinais.

As lesões planas, ou seja, praticamente sem saliência presentes nas camadas superficiais da parede do intestino, são as mais difíceis de serem detectadas e são lesões que, em geral, apresentam risco maior de câncer. Esse tipo de lesão intestinal pode crescer lateralmente, eventualmente por vários centímetros. Uma opção terapêutica para a retirada de lesões planas é a técnica ESD (dissecção endoscópica submucosa) que foi desenvolvida no Japão e se diferencia dos demais métodos pela possibilidade de ressecção extensa, em monobloco, ampli ando a s possibilidade s do tratamento endoscópico e com melhores resultados curativos.

Nos casos de lesões mais avançadas, o paciente pode apresentar sintomas como sangramento nas fezes, sangramento anal ou fezes escurecidas, perda de peso inexplicada ou não intencional e cansaço.  

Queixas digestivas como dor e distensão abdominal, dor lombar ou alteração do hábito intestinal como diarreia, constipação, fezes finas ou sensação de esvaziamento incompleto persistente devem ser levadas à serio.

Para finalizar perguntamos ao Dr. João Cláudio o que pode ser recomendado para identificar precocemente a doença ou reduzir o risco de vir a desenvolver esse tipo de câncer: "Recomenda-se que o paciente se informe a respeito de casos de câncer colorretal ou de pólipos pré-cancerígenos em familiares próximos. Pacientes com história de câncer colorretal na família devem fazer a colonoscopia com 40 anos ou 10 anos antes da idade que o familiar foi diagnosticado com a doença, o que vier antes. Se um familiar teve câncer colorretal com 45 anos, por exemplo, indica-se a realização de uma colonoscopia 10 anos antes, ou seja, com 35 anos.

Por último e não menos importante, as medidas preventivas desta doença incluem ter um estilo de vida saudável que além de reduzir o risco de doença cardíaca e diabetes tipo 2, também diminui a chance de vir a desenvolver o câncer colorretal.

A dieta recomendada inclui o consumo de muitas frutas, vegetais e fibras.

A ingestão excessiva de carne vermelha ou de carnes processadas deve ser desestimulada, já que está associada ao aumento do c ânc e r colorr e t a l. Obesidade, fumo, consumo pesado de álcool e sedentarismo também estão associados a aumento do risco. Tente manter seu peso adequado. Faça exercícios, se você fuma, pare imediatamente!" encerra Dr. João Cláudio.

O que você precisa saber sobre o assunto:

 

  • O câncer colorretal também chamado de câncer de intestino pode ser prevenido pela colonoscopia.
  • Pacientes acima de 45 anos devem realizar colonoscopia preventiva.
  • Os pólipos intestinais podem ao longo dos anos evoluir para lesões cancerígenas e por isso são retirados durante o exame.
  • Sintomas como sangramento anal e alterações do hábito intestinal devem ser investigados